Skip to Main Content

Atendendo a convite dos organizadores Jean Muteba Rahier (Universidade Internacional da Flórida [FIU]), Carlos Agudelo (Laboratório Misto Internacional [MESO], Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento [IRD], França), e Tanya Hernandes (Escola de Direito da Universidade Fordham, New York), a “Reunião para consolidar o grupo internacional de trabalho comparativo de avaliação da utilidade (ou ausência) dos ‘Instrumentos Legais Multiculturais’ para afrodescendentes na América Latina”, foi realizado na Universidade Internacional da Flórida, entre os dias 15 e 17 de fevereiro de 2018.

A reunião foi financiada graças a um financiamento de Projeto Especial da Ford-LASA (12º Ciclo, 2018) e por financiamento adicional fornecido pelas seguintes unidades da FIU: Kimberly Green Latin American & Caribbean Center (LACC), African & African Diaspora Studies Program (AADS), Department of Global & Sociocultural Studies (GSS) e Office of Research and Economic Development (ORED).

Os participantes dessa reunião foram:

Alicia Saura, Investigadora Independente, Uruguay Dayana

Carlos Agudelo, Laboratorio Misto Internacional (MESO), Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD), França 2

Gabriela Iturralde Nieto, Instituto Nacional de Antropologia e História, México

Gianmarco Ferreira, Universidade de Brasília, Brasil

Jean Muteba Rahier, Universidade Internacional da Flórida, Miami, Flórida, EUA

Jhon Antón-Sanchez, Instituto de Altos Estudos Nacionais, Quito, Ecuador

Krisna Ruette Orihuela, Universidade de Manchester, Reino Unido (AUSENTE)

Mariela Noles Cotito, Universidad del Pacífico, Lima, Perú

Rebecca Lemos Igreja, Universidade de Brasília, Brasil

Rivas Brito, Universidade Central da Venezuela, Venezuela

Sara Busdiecker, Spelman College, Atlanta, Georgia, EUA

Sofía Lara, Universidade de Caldas, Colombia - Universidade Paris VII, França

Tanya Hernandez, Escola de Direito da Universidade Fordham, New York, EUA

Em 17 de fevereiro de 2018, os participantes dessa reunião listados acima decidiram transformar o que até então era chamado de “Grupo internacional de trabalho comparativo de avaliação da utilidade (ou sua ausência) dos ‘Instrumentos Legais Multiculturais’ para afrodescendentes na América Latina” em um grupo formalmente constituído chamado:

 
Em espanhol: Observatorio de Justicia para Afrodescendientes en Latinoamérica;
Em inglês: Justice for Afrodescendants in Latin America;
Em português: Observatório de Justiça para Afrodescendentes na América Latina.

Utilizar-se-á a abreviação OJALA para todas as suas interações em qualquer idioma.

Em 17 de fevereiro de 2018, os participantes desta reunião listados acima também votaram unanimemente para 1) encarregar Jean Muteba Rahier de elaborar uma minuta da Constituição do OJALA para que fosse circulada e esperançosamente ser adotada, após as devidas discussões, por votação realizada eletronicamente; e 2) estabelecer e manter o Secretariado do OJALA na Universidade Internacional da Flórida.

Os participantes na acima descrita reunião realizada no dia 17 de fevereiro de 2018 são considerados os fundadores do OJALA.